sábado, 7 de maio de 2011

GRUPO DESPORTIVO E CULTURAL

DE SANTA COMBA DA VILARIÇA


"Certifico que, por escritura datada de 13 de Novembro do ano em curso, lavrada no Cartório Notarial de Vila Flor, a cargo da licenciada Maria Filomena Donas Boto Saraiva de Aguiar Pinto Ferreira, e exarada de fl. 77 v.º a fl. 81 do livro de notas para escrituras diversas nº 33-B, Manuel António Freire Vilares, casado, natural da freguesia de Santa Comba da Vilariça, concelho de Vila Flor, e aí residente, Amândio Júlio Freire, casado, natural da freguesia de Santa Comba da Vilariça, concelho de Vila Flor, e aí residente habitualmente, Manuel António Vilares, casado, natural da freguesia de Santa Comba da Vilariça, concelho de Vila Flor, e aí residente habitualmente, Acácio dos Santos Soeiro, casado, natural da freguesia de Valverde, concelho de Alfândega da Fé, e residente habitualmente na freguesia de Santa Comba da Vilariça, concelho de Vila Flor, Francisco José Teixeira Silva, casado, natural da freguesia de Santa Comba da Vilariça, concelho de Vila Flor, e aí residente habitualmente, José Joaquim Pires, casado, natural da freguesia de Santa comba da Vilariça, concelho de Vila Flor, e aí residente habitualmente, Hernãni Joaquim Vilares Teixeira, solteiro, maior, natural da freguesia de Santa Comba da Vilariça, concelho de Vila Flor, José Manuel Vilares Teixeira, casado, natural da freguesia de Santa Comba da Vilariça, concelho de Vila Flor, e aí residente habitualmente, José Augusto Cristóvão Diogo, casado, natural e residente na freguesia de Santa Comba da Vilariça, concelho de Vila Flor, e Paulo Augusto Padrão, casado, natural da freguesia de Vilarelhos, concelho de Alfândega da Fé, e residente habitualmente na freguesia de Santa Comba da Vilariça, concelho de Vila Flor, constituíram entre si uma associação denominada Grupo Desportivo e Cultural de Santa Comba da Vilariça, que se regerá pelos seguintes estatutos: "
(continua)

Projecto da maquete original enviado pelo próprio autor - Manuel Freire Vilares

2 comentários:

0 disse...

Ao ver este símbolo do nosso clube,da nossa aldeia,as memórias brotam da minha mente e quase parecem uma realidade de hoje. Para que conste, tenho no meu escritório bem por cima do meu PC, um muito bem preservado, eu usei esse símbolo.
Abraço para todos os meus conterrâneos que seguem este excelente meio de matar saudades da nossa linda terra.
Acúrcio Diogo Valério

seródio disse...

Olá companheiro

curiosamente, também há pouco tempo estive com o meu cartão de sócio do clube nas mãos, andaria perdido no fundo de uma qualquer gaveta. Usar nunca o usei porque não dava duas p'rá caixa, mas tinha gosto que a minha terra tivesse um clube. Velhos tempos!
Abraço