quinta-feira, 19 de maio de 2011

A bem da verdade, nunca fui, nem sou, muito ligado ao futebol.

Lembro-me da forma como se formavam as equipas, em que os "capitães" escolhiam os seus jogadores de entre os elementos que se encontravam encostados à parede e dos quais, eu era dos últimos a ser escolhiho, tal era a habilidade.

Contudo, e se é de futebol que estamos a falar, da equipa da nossa aldeia guardo ainda algumas recordações. Não sei ao certo se as irei mencionar por ordem cronológica, nem se a equipa da nossa terra estaria já constituída como clube, mas o que é certo é que ainda me recordo bem.

Lembro-me de ir a pé a Benlhevai; de ir à Eucísia no "machibombo" do Estica; a Roios na carrinha do Zé Conde; à Freixeda de autocarro e já mais tarde de ir ver jogos do nosso clube a Bragança, Morais e Miranda do Douro, além de inúmeros jogos em casa.

Lembro-me também que o futebol era um acontecimento que fazia vibrar as populações locais, quer pelo seu entusiasmo quer pelo clubismo que contagiava a região em redor.

Sei que a nossa terra conseguiu "parir" boas mãos cheias de jogadores, que pelo amor à camisola tudo davam para dignificar a sua origem. (Era giro editar aqui fotografias da nossa equipa, não era?Pois era!)

Já agora, lembro-me também que, antes de haver o campo novo, ainda se jogava (entre os da terra) no Campo da Rasa e no Pinheiro. No Sairinho, não estou bem certo, mas quase que me atrevia a dizer que me ainda me lembro também. Mas não afirmo.

Agora, o que afirmo, é que ouvi dizer, que aquando da extinção do nosso clube, houve quem tivesse a coragem de "deixar por lá" toda a sua logística, desde a carrinha, às bolas e ao equipamento. Tudo abandonado em qualquer barranca! Nem quis acreditar.

Como é que isso foi possível? Como é que alguém conseguiu destruir e abandonar um projecto que era de todos nós e que tantas boas emoções nos proporcionou?

Simplesmente lamentável! Para não dizer vergonhoso.

Nota: Último logótipo utilizado pelo clube, com alterações ao logótipo original.

37 comentários:

Anónimo disse...

Aguas passadas não movem moinhos.
É caso para dizer: "bola pra frente"
O campo está lá ainda...e já agora, ainda há quem tente manter o terreno em estado razoável.
Não sei quem o faz, mas todos os anos o terreno é limpo, porque se não já era um bom sitio para ir as maias.
É triste poder e não querer.


ps: agora sim, PODE-SE falar. RN

seródio disse...

É isso mesmo RN
pr'á frente é que deveria ser o destino da bola, se por acaso alguém ousasse ...
Pois, o campo ainda lá está,assim como as outras estruturas necessárias ... parece não haver é gente.
Curiosamente, ainda no último fim-de-semana por lá passei e vi que estava cegado quase todo o meio-campo de cá. E como bem dizes, se assim não fosse, não tardaria a enxamear-se tudo de gestas e arsãs.
Sempre me admirei nunca terem feito daquilo um bardo ... cercadinho e tudo!
Faço eco das tuas palavras: é triste poder e não querer. Parece que o nosso povo anda meio entorpecido e sem vontade de se projectar colectivamente. Ao invês disso, preferem "abastecer-se" por terras de Baco, para assim não precisarem de se interrogar sobre a sua verdadeira razão de ser, de pertencer, de fazer ... enfim, de viver.
Abraço
P.S.: Pode-se (e deve-se) falar agora e SEMPRE ... qual grito de LIBERDADE!

seródio disse...

lapsus linguae - onde se lê "cegado" deve ler-se "segado"

umgajodaqui disse...

cegado também serve... tal a cegueira mental a que chegamos...mas isso já é doutro campo.

seródio disse...

Ó gajodaí

e essa talvez seja a maior cegueira de todas. Tu vê lá não te deixes cegar ... abreosolhos!

Anónimo disse...

Falando do clube da nossa terra, é triste, e principalmente nesta terra que infelizmente sempre foi assim, haver pessoas do CONTRA tudo e todos independentemente das mais valias. Só porque está lá um certo "fulano" não queremos saber se está a gerir bem ou mal, temos de criticar mesmo sem saber-mos o conteúdo da critica, o que importa é BOTAR abaixo.
Enquanto as pessoas não tiverem uma mente mais aberta, nesta terra não se pode fazer nada, ou então só quem tiver muito "PAPO" para aguentar tanta critica descabida e injusta é que consegue fazer alguma coisa.
Outro ponto essencial, é que, mais uma vez nesta terra, mistura-se erradamente a politica com a "BOLA".

E já agora, já que ninguém ainda falou nele, fica aqui a minha HOMENAGEM a um grande presidente do nosso clube, que muito se sacrificou para que o clube se mantivesse erguido.

ATÉ SEMPRE "TI CARLOS".

Anónimo disse...

Concordo com o que foi dito pelo anónimo.
Criticas há em todo o lado, mas se vindas de pessoas encostadas a um balcão têm o poder de desmoronar (ao que percebo) toda uma vontade colectiva não sei o que será mais de nós.
Aquilo que teria lógica aqui nos comentários eram pessoas a disponibilizarem-se.
Só isso poderia levar a algum lado.
Ainda assim concordo totalmente com as palavras do anónimo,terra de gente difícil.

A. Silva disse...

Conterrâneos;
Constata-se de facto, e cada vez mais, o que lamento, a utilização de “ferramentas virtuais” para expressar o que nos vai na alma.
Sugiro (re)encontros para opinar, sugerir, apresentar soluções e, porque não, criticar no sentido construtivo. Há vontade em reerguer esta colectividade? Avancemos!Houve, há e haverá gente com "PAPO" na nossa TERRA, faz parte do nosso ADN.
Fartamo-nos, utilizo o plural - pelos comentários aqui registados já somos pelo menos 3 - de lições de moral daqueles que nunca deram a cara,nunca fizeram nada em prol da terra, sentados à sombra à espera do insucesso de terceiros, para disto fazerem a sua bandeira.

Relativamente ao Presidente “Ti Carlos”, não me vou pronunciar porque sou suspeito. Ficam as saudades, a sua imensa paixão pelo G.D.C. era contagiante, com o decorrer do tempo…deixou de o ser.
Se queremos uma aldeia diferente, para melhor, então tenhamos atitudes diferentes, também para melhor…
O importante e essencial é evidenciar o que de bom foi feito, o mau só por si fica naturalmente evidenciado – “…dos fracos não reza a história”
Obviamente, também eu concordo com os comentários anteriores dos 2 anónimos, embora preferisse que se tivessem identificado.

A.Silva

Anónimo disse...

Foi um lapso da minha parte não me ter identificado.

O primeiro anónimo foi de minha autoria.


Daniel Brás

seródio disse...

"nesta terra infelizmente sempre foi assim"

Assim de repente, não me ocorre nenhuma palavra capaz de representar o significado de infelizmente (palavra que detesto), mas se a retirássemos da frase o seu conteúdo não alterava em nada.
Desde sempre me lembro de ouvir dizer que Santa Comba era uma terra onde não valia a pena fazer nada, porque ninguém dava valor nenhum a isso. Mas é um facto que, em relação ao futebol, a nossa terra foi falada e vista com um exemplo a seguir e por isso conseguiu agregar vontades em torno de um projecto comum. Quanto ao estar "lá" (seja lá onde isso for!)é ponto assente que em Santa Comba quem "lá" estiver, não se livra das mais variadas críticas...qual história do velho, do rapaz e do burro. Por isso, precisará sempre de muito papo.
Em relação ao outro ponto, eu iria mais longe: nessa terra sempre se misturou, erradamente como bem dizes, política com tudo, o que nega em absoluto os principios de uma convivência sã entre as gentes do nosso povo. E pena é que seja assim, porque quem sai a perder serão sempre aqueles que poderiam vir a benificiar do desenvolvimento de actividades que pudessem engrandecer a nossa terra.

seródio disse...

Ao reler o post, não consegui vislumbrar em lado nenhum algo que pudesse constituir uma crítica. Além do relato de algumas experiências pessoais e da constatação de um facto, julgo não haver motivo para se pensar na intenção de desmoronar o que quer fosse, muito o menos o que já estava desmoronado.
Nunca foi objectivo deste espaço desmoronar nada, muito antes pelo contrário, sempre se pretendeu construir uma identidade comum que tivesse como centro gravitacional o apego que temos pela nossa terra.
Quanto a mim(Manel Zé) não me canso de rebuscar em bibliotecas e arquivos informação sobre a nossa aldeia, para poder partilhar com os meus conterrâneos. Agora se o faço bem ou mal, pelo menos faço-o.
É óbvio que também gosto de me encostar ao balcão, para confraternizar com os meus amigos, os quais sabem muito dessa vontade e a enorme pena de estar longe da minha terra.
Temo que tenhas percebido tudo mal!

seródio disse...

Olá A. Silva

bem-vindo de novo por aqui.
Lamento que, de uma forma ou de outra, o saudoso TiCarlos tenha vindo à conversa, mas acredita que essa ideia nunca esteve presente aquando da edição do post. Também não me pronunciarei porque não tenho motivos para o fazer.
Permite-me que discorde contigo, mas a utilização desta ferramenta,neste caso o blog sobre Santa Comba, na minha opinião (por isso vale o que vale) cumpriu na íntrega os propósitos para os quais foi concebida. Além de servir para a divulgação da nossa aldeia, permite ainda este encontro no espaço dos comentários, indicado logo desde o início, como um possível local de encontro de debate de ideias, discussão de temas e outros assuntos relacionados com a nossa terra. Raramente tem sido utilizado.
Não se pretendeu em altura alguma dar lições de moral a ninguém, muito menos aguardar pelo seu insucesso. Como não sou pessoa de virar as costas ao touro, acho isso um acto inutilmente cobarde. Mas se o interesse pela nossa terra é assim tanto, não nos poderemos abstrair desse intento, antes pelo contrário, tudo fazer para que a possamos dignificar ainda mais. E também sei que temos ADN suficiente para o fazer. E acho muito bem que sugiras encontros para tentar reerguer essa colectividade, da qual todos nos orgulharemos de pertencer. Logo, poderemos dar alguma utilidade a este espaço, quanto mais não seja.

Anónimo disse...

Acho que quem não percebeu foi o Manuel Ze.
O comentário foi em relação as criticas referidas pelo Daniel Brás.
Sobre aqueles que mais tarde referiu o A.Silva, os que "nunca fizeram nada em prol da terra, sentados à sombra à espera do insucesso de terceiros, para disto fazerem a sua bandeira."
Penso que aí se inserem todas as criticas de café.
Jamais,mas jamais mesmo me referi ao criador do Blog.
"Se calha" foi porque me esqueci de me identificar que pensou tal coisa.
Sabe bem o valor que pessoalmente dou ao trabalho deste blog.

RN

Carlos Freixo disse...

Deixai-vos destas conversas, vamos mas é agir! E mostrar coisas com actos e acontecimentos...

Ass: Carlos Freixo

Anónimo disse...

Mas Ó Seródio (Manel Zé), uma coisa é criticar construtivamente com o objectivo de melhorar algo, outra é criticar com a pura malícia de contribuir para algo negativo só com a intenção de "BOTAR" abaixo.

Eu sei que o Primo Artur não me leva a mal por ter feito uma homenagem MAIS QUE MERECIDA ao meu TIO CARLOS, porque achei e continuo a achar injusto que nos 3 posts sobre o clube não vi o nome dele, vi o de alguns mas dele não vi e acho que não é correcto esquecerem-se de mencionar quem tanto fez por este clube, quem tanto amor, empenho de dedicação deu a este clube.

Daniel Brás

A. Silva disse...

Seródio, lamento que tenhas interpretado erradamente, na integra, o meu comentário:

1. Em relação ao “Tio Carlos”, não existe problema algum e não me incomodam minimamente este tipo de comentários, simplesmente evito este assunto porque não gosto de protagonismos;
2. Quando me refiro a ferramentas, refiro-me a blogs (não especificamente a este blog), a rede sociais, a sms,etc…;
Aprecio “estas ferramentas” mas prefiro o convívio, o bate boca e há coisas, pela sua importância, não devem ser expostas desta maneira – transmitimos valores errados;
3. Relativamente a lições de moral, não me estava a referir a ti…, lamento que te tenhas sentido atingido, ficou ao teu critério

Subscrevo o comentário do Renato, ao contrário do Seródio, percebestes o meu desabafo
É isso Carlos, o que nossa “TERRA” precisa é de acção construtiva, da garra e vontade dos jovens como tu que não se revêem neste exemplo e mau momento desta colectividade.
Para mim este assunto fica encerrado, não quero novamente ser mal interpretado.

Aquele abraço,

A.Silva

seródio disse...

RN

Se a interpretação da realidade é carregada de enorme subjectividade, a interpretação das palavras dos outros (já por si subjectivas) mais subjectiva se torna.

Carlos Freixo

Concordo em absoluto com as tuas palavras ... é precisamente essa a minha opinião.

Daniel

Os dois primeiros post's são uma transcrição do que está vertido na referida legislação; o terceiro post não tinha como objectivo dignificar nem denegrir ninguém, é apenas uma opinião sobre o acto em si.

A. Silva

Ainda bem que todos perceberam e puderam discorrer sobre o assunto, manifestando livremente os seus sentimentos e as suas opiniões. Ainda bem também que todos falaram em abstracto não se dirigindo ao blog nem a mim.
Embora não me pareça que o post tivesse sido assim tão sugestivo, serviu para a promoção do debate, tornando este espaço aberto e plural.

Abraço

Bacão disse...

Olá a todos, em particular ao Manel Zé por ter a coragem de abordar um assunto que a mim sempre me pareceu, no mínimo, estranho... A forma como o Clube de Futebol da terra desapareceu!?!
Se não interessa encontrar culpados (porque os há... e se calhar sabemos quem são!)... todos os que alguma vez se interessaram pelo futebol da terra têm de assumir, pelo menos, a responsabilidade de terem sido coniventes ou de terem ignorado os actos que levaram ao fim da colectividade.
As dúvidas persistem porque NUNCA foram esclarecidas!?!
Interessa identificar os erros para que não se repitam... ignorar e esquecer não trará honra nenhuma a todos os que lutaram dentro e fora das 4 linhas pelo Clube!
Acredito que há gente com capacidade para relançar o futebol em Sta Comba... quanto a mim, sempre estarei disponível para fazer o que estiver ao meu alcançe!!!
Veremos se tudo não passa de palavras e quais os actos que se seguirão... o tempo dirá!

Abraço!

Anónimo disse...

Mas que coragem é essa????? Não percebo, falar da nossa terra a KM de distância e não fazer nada para mudar a não ser criticar, não percebo que coragem é esta de que tanto falas.... Vindes cá 2 ou 3 vezes por ano e dizeis que estais disponíveis para ajudar, mas ajudar no que? Falais muito mas é aqui...

Quanto ao post do Daniel Brás, concordo em absoluto com ele porque todos os pontos que ele vincou relatam a realidade da nossa Santa Comba.

Bacão disse...

Existe gente com coragem pelo menos para opinar e assinar os seus comentários!
Quanto ao facto de falar a Km de distância... a realidade é mesmo essa e este veículo permite encurtar as distâncias... não permite, infelizmente, encurtar a ignorância!!!
Quanto a críticas gratuitas, não é comigo... mas falo e falarei, aqui ou aí... tanto faz... aliás nem sou assim de tantas palavras!!!
Recordo Santa Comba sem donos... assim como o futebol... era bem melhor assim!!!
A responsabilidade... essa nunca encontrou dono... morre e morrerá desprezada... enterrada na passividade!
Continuo a achar que existe gente com capacidade para outro tipo de acções e... conversações!

Abraço!

outravezeu disse...

olá a todos.
isto está animado por aqui!
Conterrâneos, o problema parece estar a ser resolvido. Vai haver tentativa de reerguer a tradição futebolística, vamos ter festa(teriamos sempre, porque o "ADN" se sobrepoem à simples busca de protagonismo), os rapazes já mexem.
Ainda bem.RN: conta com toda a ajuda possivel. A.Silva: Já me conheces, gosto de despoletar(se bem que isto tinha de forçosamente acontecer).Daniel: O ti Carlos (Tal como os fundadores e muitos que por lá passaram) jamais será esquecido. Bacão: de poucas palavras mas(infelizmente) acertadas.Carlos: Nem mais!!!
E mais uma vez: Bem haja quem faz! e já agora, bem haja quem tenta congregar.Seródio: continua, que trabalho deste tem precisamente esta utilidade.
DNV

Anónimo disse...

Ó pah sinceramente entre o nome "Bacão" e "Anónimo" não sei qual é a diferença. Não me lembro de nenhuma pessoa da minha terra se chamar "Bacão", mas claro, deves ser tu, quem quer que sejas...........

Quanto ao resto, é mais do mesmo, criticasse e fala-se muito sem fazer nada. Quanto à ignorância, reflecte-se mais naqueles que criticam muito e não fazem nada a não ser divertirem-se a mandar uma piadas na net, mas claro, esses é que são os intitulam de OS MAIORES.
A nossa terra precisam de pessoas que a KM de distancia ajudem a terra com ideias e actos e não somente criticar.

de anónimo para anónimo disse...

neste momento, este textozito e os outros, podem ser visionados em qualquer parte do mundo... não será este um contributo? ah... e claro, este local não fala só de futebol, fala de SANTA COMBA DA VILARIÇA.
E não se esqueçam, que muita gente contribui e contribuio, para que se pudesse olhar para a nossa terra, independentemente de credos, politiquisses e outras merdisses.
Esta terra é de todos. Quando digo todos, refiro-me a TODOS: os que PODEM estar(pois esta cousa da vida dá muita volta), os que NÃO PODEM estar, os que vão estando por cá e até mesmo os que para cá se mudam! Por mim falo, eu, um eterno viajante.Não se esqueçam: existe muita gente que vai lendo... tenham respeito pelos demais.Tenho de concordar com o DNV, é preciso congregar.
nem sei se mande cumprimentos ou comprimentos, tendo em conta os KM... -.-

Bacão disse...

Agradeço e retribuo os cumprimentos/comprimentos do outro anónimo e as palavras esperançosas do DNV!!!
Parece que não me enganei quando mencionei que havia gente com capacidade e bons costumes!!!
o meu nome é Saúl Braz e em descanso merecido moro no calvário com vista privilegiada sobre o Vale!
Bacão, por favor... só para aqueles que se consideram meus amigos!
Este será o meu último post em relação a este assunto, a partir de agora lido directamente com quem queira esclarecimentos adicionais.
Já sabem onde me encontrar!
Abraço aos amigos do Vale!

Botelha Menina disse...

se me permitem rapazes...
concordo com o Daniel misturar "bola" com politica da "raia" o resultado está a vista..
Mas...
se toda a gente gosta-se da cor amarela viviamos numa grande gemada.
o facto de haver pessoas que gostam de mandar papaias ao ar, tem o seu lado bom (por muito que falem mal ou critiquem) de alguma forma preocupam-se pela nossa terra. Cabe a todos lutar por aquilo que é nosso.
Eu não estando na terra, não sei totalmente o que se passa (erro meu confesso, e não me orgulho nisso), mas não me deixo de preocupar.
A discordância existe, sempre existiu e vai existir... mas se calhar está na hora de por isso de parte e canalizar "energia" para o mesmo lado.

Para terminar:

Um Beijo enorme ao Ti Carlos, esteja onde estiver vamos sentir a falta dele!!!

Beijos e abraços

P.s. se tudo correr bem até ao dia da festa ;)

Botelha Menina disse...

(esqueci-me de uma coisa)

"Anónimo disse...

Mas que coragem é essa????? Não percebo, falar da nossa terra a KM de distância e não fazer nada para mudar a não ser criticar, não percebo que coragem é esta de que tanto falas.... Vindes cá 2 ou 3 vezes por ano e dizeis que estais disponíveis para ajudar, mas ajudar no que? Falais muito mas é aqui..."

não cabe a ti nem a ninguém, da terra que é NOSSA, julgar quem está fora.
Acredita que para muitos de nós, se houvesse hipotese estavamos na terra que nos viu nascer!!!
Tal como tu, somos "Orgulhosamente do Vale".

se fosse a ti, começava a ter mais poder de encaixe, é triste "ouvir" uma coisa destas!!!
Mas como alguém disse aqui num dos posts " O Tempo dirá"!!!!


Saúl, és do "Bairros dos Indios" tal como eu ;)!!! nem que estejas a 30000000000 km de casa!

Anónimo disse...

É de facto triste perceber que muitos projectos se iniciam e acabam assim sem mais nem menos. Que nunca sabemos o que se passou e que passamos a vida a ouvir os do contra e a perceber que tudo não passa de política ou pior de mesquinhices. O facto é que eu costumava ir vir a bola, não porque gostava mas porque era um acontecimento da aldeia, da mesma forma que tento ir a todos os acontecimentos da minha aldeia. Sim, não nasci em Santa Comba e presentemente não me encontro em Santa Comba, no entanto quanto mais pessoas e sítios conheço mais me identifico com a minha aldeia; não é por estar longe que me esqueço de quem sou e de onde venho, que viro as costas! Mesmo a km de distância dá sempre para ajudar e sobre isso deixo aqui uma fábula: "O colibri na floresta em chamas
Nós recebemos informações sobre os furacões, a pobreza, a fome, as pessoas que morrem. Ficamos com a ideia de que não podemos enfrentar estes grandes problemas. Dizemos para nós mesmos que o que podemos fazer é muito pouco e assim acabamos não fazendo nada. Uma vez um índio contou-me esta história sobre um pequeno colibri. (Wangari, Nobela da paz 2004)

Havia um grande incêndio na floresta. Preocupados, os animais fugiam da selva em chamas. Quando todos se encontraram num lugar seguro, bem distante do fogo, ficaram apenas a olhar. Eles sentiam que nada podiam fazer pois o incêndio era enorme. No entanto, um pequeno colibri decidiu que tentaria apagar o fogo. O pássaro foi até um rio próximo, apanhou uma gota de água, sobrevoou a floresta em chamas e lançou a gota que carregava no bico. Enquanto ele ia e vinha, os outros animais perguntavam: “O que estás a fazer? Não vais conseguir! Tu és muito pequeno e este incêndio é muito grande!”. Alguns animais tinham bicos bem grandes mas não ajudavam.

Mas o colibri estava convencido de que podia ajudar a apagar o incêndio e continuou atirando pequenas gotas às chamas que consumiam as árvores, respondendo “eu faço a minha parte! Faço o que é possível!”"

Ass: Maria da Assunção Braz (São)

Anónimo disse...

Botelha menina:

Eu não estou a meter no mesmo saco, ou julgar como tu referiste todas as pessoas que estão fora a KM de distância, como disse anteriormente.

Estou a julgar e volto a julgar aquelas pessoas que nada fazem pela terra a não ser criticar e das quais nunca se viu nada de concreto para ajudar a terra. Mais uma vez acho que isto não é coragem....

Se não me cabe a mim julgar quem está a KM de distância porque é que cabe aos que estão a KM de distância julgar tudo o que de mal se passa na terra sem fazerem nada para mudar a situação?

Botelha Menina disse...

Com tanto anónimo perdi-me nas pessoas, fiquei sem saber quem o disse (não faço ponta de ideia quem és).

a proxima vez que me vires, em CASA, acabamos a conversa.
Mas lê novamente a fábula!
pode ser que entendas o que eu queria dizer até lá.

deixo-te também estas definições:

Significado de Julgar

v.t. Decidir um litígio na qualidade de juiz ou árbitro: julgar um processo.
Pensar, supor: julgou necessário protestar.
Avaliar, emitir opinião, formular um juízo: julgar uma pessoa pela aparência.
Reputar, considerar: julgo-o bastante competente.

Significado de Criticar

v.t. Examinar, analisar uma obra para salientar-lhe as qualidades e/ou defeitos.
Ressaltar os defeitos das pessoas e das coisas; censurar.

e espero que esta conversa não aconteça "alapados" a um balcão.

Anónimo disse...

Botelha menina

Em nenhum das minhas mensagens anteriores eu mencionei a palavra JULGAR, quem a mencionou fostes tu ao dirigires-te a mim dizendo que eu não sou ninguém para JULGAR quem está a KM de distância.

Perdeste tanto tempo a encontrar significados mas respondes-te à minha questão que ficou no ar.......

"Se não me cabe a mim julgar quem está a KM de distância porque é que cabe aos que estão a KM de distância julgar tudo o que de mal se passa na terra sem fazerem nada para mudar a situação?"

Botelha Menina disse...

ora vamos lá ver se nos entendemos....

o teu comentário menosprezativo, em relação a quem está fora foi no mínimo desnecessário, para não dizer ridículo.
como humanos que somos temos o direito de opinar, criticar, julgar (emitir opinião sobre...).
Tu tens a tua opinião, tão valida quanto a minha ou a dos demais.

tu achas que não devemos criticar, mas tens que ter em atenção que só o facto que o fazermos já ajuda.
sabes como?
não é por politiquices e outras merdices ou para sermos do contra, é por se calhar, há maneira de fazer as coisas diferentes.
se as nossas criticas abrirem novos horizontes para resolução de problemas, quem ganha é a nossa aldeia, embora fiquem "egos" danificados.

"Se não me cabe a mim julgar quem está a KM de distância porque é que cabe aos que estão a KM de distância julgar tudo o que de mal se passa na terra sem fazerem nada para mudar a situação?"

quanto a isto...
acho que não tem comentário possível a parte de :" julgar tudo o que de mal se passa na terra".
quanto a parte nada fazem para mudar... já te respondi em cima!!!!

Tal como o meu vizinho Saúl disse, este é o meu ultimo post sobre isto, em caso de duvidas esperas que eu apareça em Casa... mas infelizmente sou daquelas que vou 2 a 3 vezes ao ano.

Anónimo disse...

Por mim tudo bem....És mais uma que optastes por enfiar a carapuça quando ela não era dirigida a ti mas espero que te fique bem.....


A minha actuação anónima acabou por aqui, não vale a pena bater mais no ceguinho quando à pessoas que só vêem as coisas à maneira delas.

Conheço pessoas a KM de distância que não precisam de blogs para ajudar a terra e vós pensais que desta maneira estai a ajudar muito, mas se vos faz feliz continuai a cair no ridículo da critica enquanto pensais que assim estais a ajudar a vossa terra.


Ficai bem...

P.S. Até ao mês de Agosto na nossa festa...loooooooooooooooooooool

Anónimo disse...

Isto já não se trata de fazer o melhor pela nossa terra.Aqui já são casos pessoais.
Ainda assim é ridículo e estúpido a mesma!
Há pessoas que continuam com mesquinharias e em vez de resolverem problemas,só complicam.

"se as nossas criticas abrirem novos horizontes para resolução de problemas, quem ganha é a nossa aldeia, embora fiquem "egos" danificados."
Esta passagem diz tudo,Nair.
Ainda não vi nenhuma critica construtiva.
Quem bem critica é quem bem sabe elogiar.
O problema é que há pessoas que só sabem criticar e procurar uma falha no que de bem se faz.
Nao é a desvalorizar o trabalho dos outros que se pode evoluir,antes pelo contrario!
Nesta aldeia muitas criticas trazem água na boca e interesses pessoais.
Ai reside o problema!
Devemos tomar como exemplo o que os outros fazem ou fizeram bem e por de parte recalcamentos.
Afinal foi assim que deixamos de viver em cavernas.
Anónimo,só o facto de vir para aqui criar problemas me deixa estupefacto.
Ainda para mais a forma como os cria e de forma anónima.
O que retiro daqui é que o anonimo diz que aqui não se pode fazer nada estando cá,quanto mais a km de distancia.
Tenho que dar razão, porque já aprendi muito nos últimos dias desde que comecei a tentar fazer a minha parte pela nossa terra.
Em apenas 2 semanas perdi amigos,"criei" inimigos, ouvi bocas descabidas etc etc NUNCA PENSEI que tal coisa fosse possível.
Já para não falar que eu também costumo estar a Km de distancia.
Daí perceber que os Km nada importa,mas sim a vontade e a disponibilidade para vir a casa como a Nair diz.
Os restantes querem usufruir do direito de criticar,julgar etc
Como disse é um direito,ainda que existam formas melhores para o fazer.
Espero que quem o faca pondere antes se será mesmo necessário e o que trará de bom.
Há situações que não vale mesmo apena.
Que importa agora passado uma década do sta comba ter desaparecido virem para aqui falar de culpados, responsabilidades etc
Afinal o que é que adianta na pratica?
Pode ser que um dia o nosso clube volte a ser o Sta Comba e ai sim podemos ser todos clubistas...
Tenham juízo miúdos e graúdos.
Desculpem lá dizer verdades ;)
pode ser que assim isto acabe por aqui.

Renato Neves

Anónimo disse...

Concordo contigo Renato, nos últimos dias temos sido criticados em tudo quanto é esquina, mas vais que esses críticos vão ser os que vão fazer mais despesa no dia D...


Daniel Brás

A. Silva disse...

Via conterrâneos(identificados)
Seródio, sugiro a moderação dos comentários (esta é a minha modesta opinião), comentários anónimos e impróprios devem ser eliminados( os blogs disponibilizam uma forma de filtrar os comentários a expor)
A nossa TERRA não merece este tipo de exibições, muito menos, de pessoas que não se identificam.
Maria Assunção Braz, esplêndido!
Temos é que importar alguns colibris das Américas :)

Anónimo disse...

Estou de acordo com o Artur.
Mas não confundir moderar com censurar.
É que a custa dos anónimos já há quem pense que o anónimo sou eu.
Quando na verdade fui sempre um espectador nesta MERDA toda.
Só o digo uma vez todos os meus comentários foram identificados!
EU,Renato não sou o badalado anónimo nem faço ideia de quem seja.
Está dito e escrito portanto se alguém tem alguma coisa a perguntar pode vir falar comigo que eu esclareço.Seja quem for.
Se tiver alguma coisa a dizer digo e acabou!Sempre foi assim.
Acho que nunca faltei ao respeito a ninguém, espero que não tenha de ser agora.
Todos temos nomes e servem para alguma coisa.

Renato Alexandre Mateus Neves

Anónimo disse...

E após longos anos de trabalho, vitórias e desaires , com mérito conseguiram reerguer o clube. Houve um ou outro percalço ( tal como os há sempre), a vida continua. Uns com a distancia a provocar aperto na alma , outros com a proximidade e a sua paixão pela terra e outros com paixão mas menos disponibilidade , vamos continuar. O caminho faz-se...
Abraço a todos.

Duarte ( ainda ) No Vale.