segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Montaria ao Javali


Realizou-se na nossa aldeia mais uma edição da montaria aos javalis.
Logo cedo, por volta das 8 h 30, começaram a chegar os primeiros caçadores e ia-se dando uma olhadela ao tempo.
Como toda a ajuda é pouca, toca de arregaçar as mangas e começar a tratar do mata-bicho.
Elemento fundamental de uma montaria: as matilhas. Este ano entraram seis.
Como tem vindo sendo hábito, os restos da fogueira de Natal são aproveitados para este dia e diga-se de passagem que bom jeito dá.
Acendem-se outras fogueiras e, enquanto se fazem brasas, aguarda-se que vá chegando o resto do pessoal.
Feitas as brasas, há que pôr nas grelhas as assaduras que vão enriquecer o mata-bicho.
Compra-se a "porta" ...
... e dá-se uma olhadela à mancha.
Montada a mesa para o mata-bicho ...

... todos se apressam em chegar-se à frente para, de navalha em riste, atacar os nacos mais apetecíveis. Além da carne assada, do mata-bicho constava ainda: pão, bolas (das nossas),presunto, queijo, nozes, sumos e vinho.

E obviamente, todos quiseram uma canja quentinha para acabar de reconfortar o estômago.

Aguardava-se o sorteio das portas e ia-se confraternizando, revendo velhos amigos e contando outras façanhas.

Chegado o sorteio, cada caçador era chamado e dirigia-se à organização de onde retirava um envelope com um número. Depois de visto o número, a curiosidade levava-nos novamente a espreitar a mancha para assim vermos a nossa posição.

Visto o número, cada caçador dirigia-se à respectiva armada que o iria levar à porta destinada.

Rego-do-Souto acima, lá seguiram as armadas cada uma com seu destino.

Calhou-me a porta 45. Vim na armada do Ti Chico, o qual me disse ser ali bom sítio.

Na paisagem, viam-se lá atrás, montes de Benlhevai.

Como a minha porta se encontrava quase no limite da mancha e logo no local onde entraram duas matilhas, após a passagem destas logo deduzi que a montaria para mim estaria feita.

A chegada com o resultado da caçada é sempre aguardada com expectativa pelos caçadores e também por muitos locais curiosos.

Apesar de tudo não foi má, mas nada que se comparasse com o ano passado, onde se capturaram 11 peças.



Enquanto se rematavam 3 dos javalis, iam-se vendendo umas rifas para sortear o outro. Sorte que acabou por calhar a um caçador de Sampaio.

No interior do salão, encontrava-se já posta a mesa para dar de jantar aos caçadores.

Em saudável convívio, caçadores, matilheiros e outros colaboradores, finalizaram então este comprido e agradável dia.

Apesar de ainda não ter feito muitas montarias, ainda não vi nenhuma com as condições da nossa. E esta conclusão pode também ser escutada nos comentários que outros caçadores vão fazendo: boa organização, boas condições, espaço à farta para estacionamentos e o mais importante: tem havido sempre recos.

Resta-me concluir com agrado, o facto de alguns conterrãneos nossos, mesmo não sendo caçadores, participaram com muito agrado nesta actividade, sentido algum orgulho por dela fazer parte.

5 comentários:

Botelha-Menina disse...

:) diria que ja via um reco ha anos...
pois é menino eu diria que calhas-t em boa comapnhia, Ti Chico...
Botelho de gema heheh!!!
gostei de ver as fotos...
fez-m lembrar quando é que vi um javali pela primeira vez... tinha eu três quatro anos quando o teu tio Mário ainda morava no bairro dos indios!!! ele foi a caça e apanhou um javali, na altura achei o reco feio mas pronto mudei de ideias quando provei...

beijos :)

seródio disse...

ó botelha-menina
e tu não sabes que também comi desse reco?! ... e que, até tem uma história engraçada, eu nesse tempo ainda não caçava, após o meu tio ter morto o reco,ele e outro, ataram-lhe as quatro patas com um cinto e trouxeram-mo embarrado num pau assente nos ombros até a um certo ponto, o resto do percurso, até ao bairro dos índios, foi transportado no burro do Barbinhas (que descanse em paz)
nessa altura comi-o assado mas agora prefiro-o estufado, grande petisco...

bjs

duarte disse...

bela reportagem amigo seródio...
E que bom ver , uma associação a funcionar em pleno.
abraço

seródio disse...

olá amigo duarte

que a net te traga de volta o mais rápido possível...
realmente a associação de caçadores funciona em pleno, embora não faça parte da direcção, colaboro sempre que posso na organização das batidas. conforme disse, todos os comentários que se ouvem são sempre elogiosos e agrada-me imenso ver conterrãneos nosso que, mesmo sem serem caçadores, colaboram com muito agrado para que a sua realização seja um sucesso, desde em acompanhar os matilheiros, até a emprestarem os carros para as caçadas, como em outras ajudas sempre bem-vindas.
nota-se ali alguma conjugação de esforços e vontades de modo a prestigiar e a ter orgulho na nossa terra, o que vai fazendo falta, não te parece?
e que essas vontades nos unam cada vez mais...

abraço

seródio

Ligia disse...

K pena teve o meu pai d n ter estado presente nesta montaria...tb comi de 1 dos 11 recos do ano anterior.mt bom!
bjinhos